Diálogos entre a Psicanálise, as Ciências Sociais e a Comunicação

NARCISO NO ESPELHO DO SÉCULO XXI:

Brasil - Argentina

Este projeto foi iniciado em setembro de 2015 e conta com o apoio de várias instituições, incluindo uma bolsa de "doutorado-sanduíche reverso" com duração de onze meses concedida pela FAPERJ ao médico psicanalista argentino Alejandro Razé, para desenvolver parte de sua pesquisa no Brasil sob a orientação da professora Paula Sibilia.

Trata-se, portanto, de uma parceria entre o Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Federal Fluminense (UFF, Brasil) e o Doutorado em Ciências Sociais da Universidad de Buenos Aires (UBA, Argentina), em colaboração também com a Asociación Piscoanalítica Argentina (APA, Argentina) e com o apoio da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ, Brasil).

Em primeiro lugar, o projeto visa a facilitar uma interlocução entre psicanalistas da Argentina e do Brasil, bem como entre eles e um público mais amplo de falantes das línguas espanhola e portuguesa.

Além disso, a intenção é tecer um diálogo entre a Psicanálise e as Ciências Sociais, particularmente a Comunicação, focalizando uma série de transformações históricas que estão em andamento e que afetam a produção de subjetividades. Trata-se de mudanças extremamente complexas, que envolvem um conjunto de fatores socioculturais, políticos e econômicos. Dentro desse vasto fenômeno, procura-se indagar o estímulo para a configuração de um tipo de "identidade" que se constrói e se alicerça, de modo crescente, na visibilidade e na busca de prazer. 

Para realizar essa sondagem, foram convocados destacados psicanalistas da Argentina e do Brasil, que estão pensando essas questões e que sobre elas escreveram com base em sua experiência na prática clínica. Participaram do projeto onze psicanalistas, sediados nas principais cidades da Argentina e do Brasil: Benilton Bezerra Jr., Joel Birman, Tania Rivera e Teresa Pinheiro (Rio de Janeiro); Christian DunkerMario Fuks, Lucía Barbero Fuks, Renato Mezan e Suely Rolnik(São Paulo); César Merea e Ricardo Rodulfo (Buenos Aires).

Esta proposta se inclui dentro de um projeto de pesquisa mais amplo, no campo da "genealogia das subjetividades", que procura mapear as relações atuais entre identidade, visibilidade e prazer, com o fim de contribuir para uma eventual atualização dos elementos que compõem a noção de psiquismo. Para consumar esse objetivo, recorre-se a uma pesquisa interdisciplinar, cujos principais eixos conceituais são os seguintes: uma "identidade" que se constrói de modo crescente na visibilidade e que aposta na capacidade de ser visto para se legitimar; uma reivindicação e até uma certa "politização" do prazer, da auto-realização e da felicidade individual, para além de qualquer limite ou valor transcendente; uma generalização do consumo como referente identitário; uma centralidade do corpo como imagem e como fonte prioritária ou mesmo exclusiva de satisfação; e, por fim, um concomitante declínio da noção de "interioridade".